Ten. Cel. Zinga. Comandante do 1º BPAF

O Comandante do 1º Batalhão de Policiamento de Área de Fronteira (BPAF), Ten. Cel. Zinga, concedeu entrevista ao Jornal da Hits nesta manhã de quinta-feira (13) sobre a detenção do advogado e ex-promotor de justiça, Rodrigo de Oliveira Vieira, ocorrido na tarde de quarta (12). Segundo Zinga, a Brigada Militar abrirá uma investigação formal e adotará algumas providências legais, que o caso exige. Fez questão de frisar que, qualquer cidadão que não estiver de acordo com o trabalho da Brigada Militar e do 1º BPAF, basta formalizar uma queixa, que será investigada. Sobre o acontecido, preferiu não emitir parecer sem antes ter a conclusão da investigação que foi aberta. E que a Brigada Militar emitiu uma nota, com a versão do policial. O comandante também falou que não adianta “maximizar” o fato, pois trata-se de uma ocorrência normal. Onde um cidadão tem toda a liberdade de fazer sua reclamação sobre o procedimento policial, e que isso é cidadania. À ele cabe ouvir, receber a reclamação e investigar a ocorrência.

Sobre o caso relatado pelo advogado no atendimento na UPA, de ter recebido um laudo médico sem sequer ter sido examinado, e que a enfermeira argumentou que era “praxe” este procedimento, Zinga disse que isso também será investigado, e que não faria juízo de valor.

O âncora do Jornal, França, perguntou também, se o militar envolvido neste caso, seria o mesmo que disparou contra um homem, dentro de uma ambulância da SAMU no ano de 2017. O Comandante não quis se manifestar, dizendo que a Justiça Militar preserva o agente público e que não forneceria este tipo de dado.

  • Leia o resumo da ocorrência divulgada pela Brigada Militar:

    ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

    SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA

    BRIGADA MILITAR – CRPO/FO

    1º BATALHÃO DE POLICIAMENTO DE AREA DE FRONTEIRA

               Uruguaiana, RS, 13 de Junhode 2019.

    Release Nº021/1ºBPAF-     COMSOC/2019

    DESACATO

    UMA GUARNIÇÃO DA BRIGADA MILITAR DESLOCOU AO ENDEREÇO JOSÉ GARIBALDI NO BAIRRO SÃO MIGUEL, LOCAL ONDE SEGUNDO AS LIGAÇÕES SERIA UMA OCORRÊNCIA DE CÁRCERE PRIVADO. ENQUANTO AVERIGUAVAM A SITUAÇÃO, UM SENHOR SE APROXIMOU DOS POLICIAIS QUE DECIDIAM COMO IRIAM PROCEDER NA OCORRÊNCIA MOMENTO EM QUE O SENHOR R.V. INTERROMPEU O ASSUNTO BASTANTE EXALTADO EM TOM DE VOZ ALTO MOMENTO EM QUE FOI DADO VOZ DE ABORDAGEM AO SENHOR R. E SOLICITADA A SUA IDENTIFICAÇÃO ONDE O MESMO NEGOU-SE DIZENDO QUE EU NÃO VOU IDENTIFICAR-ME PARA TI. NOVAMENTE FOI PEDIDO A IDENTIFICAÇÃO MOMENTO EM R. DISSE “EU SOU ADVOGADO”E TU, QUEM É? E O POLICIAL RESPONDEU : SOU POLICIAL A. ENTÃO O SENHOR R. DISSE POLICIAL DE BOSTA, NESTO MOMENTO FOI DADO VOZ DE PRISÃO AO MESMO QUE AO SER CONDUZIDO RESISTIU DIZENDO QUE NÃO IRIA SENDO NECESSÁRIO O USO DAS ALGEMAS PARA CONTÊ-LO E FAZER A CONDUÇÃO DESTE ATÉ A DELEGACIA DE POLICIA PARA O REGISTRO. AO CHEGAR NA DELEGACIA AS ALGEMAS FORAM RETIRADAS DE R. QUE NEGOU-SE A FAZER O EXAME DE CORPO DE DELITO, SENDO TOMADAS AS DEVIDAS MEDIDAS.

    _____________________________________________________
    Antonio Felipe Zinga Junior
    TenCelQOEM –Cmtdo 1º BPAF

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here